sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Tapiocas coloridas com flores comestíveis

Inspirada nas oficinas da Neide Rigo aqui no Sesc Campinas,  na cozinha afetiva e no resgate da cultura indígena, segue uma ilustração de um prato sem gluten, sem lactose,  sem gordura, colorido e florido feito para a 'alma' degustar a delicadeza de estar nesse mundo.


O que é a Tapioca ?
Typi-og  em tupi, significada “tirado do fundo” conhecido em algumas parte do Brasil como beiju.
Depois de ralada e espremida, a mandioca libera uma massa seca e um líquido. A primeira,  torrada em forno, dá origem a farinha de mandioca. O caldo por sua vez, passa por um processo de decantação, e féculas da raiz se depositam no fundo do recipiente. Esse material úmido é chamado de goma ou tapioca molhada e depois de seco vira o polvilho, um pó finíssimo e branco.  Ele pode ser doce ou azedo. O polvilho doce resulta da goma fresca levada a secar antes que  fermente por isso é inodoro e insípido.  Já o polvilho azedo  resulta da goma fresca levada  para  secar depois de fermentada por isso tem sabor azedo. Em algumas cidades do nordeste do Brasil a tapioca é considerada Patrimônio Imaterial e Cultural  em 2006.

.
Justo é dizer o caminho das pedras, aqui o link  do blog da Neide com a receita e modo de preparo 
















flor de trapoeraba,  bredo  e impatiens

salsa, flor de lantana, trapoeraba e gerânio

ramo de erva doce, flor de trapoeraba e cosmos


flor de cassia fistula e folha de moringa oleifera



quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Meu limoeiro

Esse é um limoeiro, que há alguns 10 anos atras plantei num vaso para que fosse um bonsai.
Um amigo me alertou pra algo que nunca tinha refletido, que é um tanto egoísta aprisionar uma arvore num pequeno pote pra você ficar admirando. Neste domingo dia 13 de maio irei liberta-lo para a terra, pois nenhum ser vivo pode ser escravo.
daqui uns meses registro uma nova imagem pra ver seu tamanho